Em dois dias, Governo do Estado formalizou 260 acordos de moradia no Monte Horebe

Insira um URL válido

Manaus – AM | Em balanço divulgado nesta terça-feira (03/03), após dois dias de reintegração de posse do Monte Horebe, o Governo do Amazonas contabiliza 487 famílias atendidas pela equipe social, no Colégio Militar da Polícia Militar VI (CMPM VI), no Residencial Viver Melhor. Desse total, 260 famílias já formalizaram os acordos que asseguram o pagamento do auxílio-aluguel de R$ 600 até a adoção definitiva da solução de moradia.

Publicidade

Entre ontem e hoje o levantamento realizado pela equipe da força-tarefa do Estado apontou 1.017 imóveis que possuem famílias. Mais de 700 imóveis foram demolidos por não ter qualquer pessoa residindo. Cerca de 60% da área total já foi atendida pela selagem, que a identificação da residência, para que a família receba o atendimento social.

A secretária de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Caroline Braz, explica que está sendo feito um trabalho de filtro e cruzamento de dados para identificar e beneficiar as famílias realmente necessitadas.

“É uma ação para que as pessoas mais carentes não sejam prejudicadas, então, a partir do momento em que elas realizam o cadastramento, as equipes do social verificam in loco a situação delas e entregam um protocolo. Depois, elas se deslocam até a escola, onde é feito um cadastro mais minucioso. A partir desse cadastro, o Estado vai analisar e averiguar quais são as famílias que realmente tem necessidade de receber o auxílio-aluguel”, destaca Caroline Braz.

A secretária explica que após o cadastro na escola, os moradores recebem um protocolo, que funciona como um comprovante de residência. “Com esse documento ela pode sair da comunidade e retornar para a comunidade apresentando o protocolo, sem ter nenhum problema, porque essas famílias realmente poderão dormir nessa casa até que seja concedido o auxílio”, explica.

“Esse modelo é algo histórico e que ficará de exemplo para o resto do país, porque nunca se fez uma reintegração de posse visando famílias carentes, então, hoje o Estado do Amazonas está mostrando que é possível unir a segurança pública com o social sem prejudicar as famílias que realmente precisam”, completa a secretária da Sejusc.

O trabalho é coordenado pela rede de assistência social do Estado, composta por profissionais das secretarias de Estado de Justiça, Direito Humanos e Cidadania (Sejusc) e Assistência Social (Seas), Superintendência Habitacional no Amazonas (Suhab) e Unidade de Gestão Integrada (UGI).

Aparato de segurança – A ação social de desocupação no Monte Horebe conta com o apoio das forças de segurança do Estado. “A ação social do Governo está transcorrendo dentro da mais perfeita normalidade. A população passou a acreditar na ação, estão indo para o Colégio da Polícia Militar se cadastrar, estão colaborando com a gente. Nós não temos pressa em fazer essa ação, o que nós queremos é dar um tratamento totalmente humanizado”, observou o secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates.

Meio Ambiente – A área onde está localizada a ocupação irregular Monte Horebe fica nas proximidades da Reserva Adolpho Ducke e receberá ações de recuperação ambiental. Equipes da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) 

“A ideia é aguardar a desocupação, ordeira do jeito que está sendo, para que a gente comece a trabalhar no primeiro ponto, que é a destinação desses resíduos que foram produzidos nessa invasão. Posterior a isso nós temos que atuar nas áreas de preservação permanente, que também foram atingidas com esse desmatamento e, da mesma forma, tem o cuidado bem especial com o fluxo dos igarapés”, informou Rogério Bessa, chefe do departamento de mudanças climáticas da Sema.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Receba a seleção das melhores notícias:

Qual sua opinião? Deixe seu comentário