Pai de Henry Borel se revolta após Monique Medeiros retomar trabalho

WhatsApp-Image-2023-01-23-at-16.41.24
PATROCINADO
Agora, a saúde é levada a sério!A Prefeitura segue com seus cuidados à população. Mais uma unidade de...

Pai do menino Henry Borel, Leniel Borel disse ter recebido com “sentimento de impunidade” a informação de que Monique Medeiros, acusada de participação na morte do filho, retomou o cargo na Secretaria Municipal do Rio.

“O sentimento é de revolta, como pai, que luta todo dia por justiça pelo meu filho. Nos causa um sentimento de impunidade ver a Monique voltando ao cargo, tanto pelo meu filho quanto pelo que está sendo mostrado para a sociedade”, disse em entrevista à Record TV Rio.

Monique deixou o presídio por decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), em 2022, e aguarda em liberdade o julgamento no II Tribunal do Júri do Rio de Janeiro.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, a servidora concursada foi reconduzida ao trabalho em uma função administrativa, por orientação jurídica, já que ela não pode ser afastada e ter a remuneração suspensa, em razão de não ter recebido uma condenação.

No entanto, o pai de Henry questionou a decisão: “Monique ficou um ano presa. Se você ou eu ficarmos sem trabalhar um ano, somos demitidos. Como é que ela tem o direito de voltar a trabalhar?”.

Nas redes sociais, o secretário Municipal de Educação, Renan Ferreirinha, disse que, se dependesse dele, Monique já teria sido demitida e que um processo administrativo já foi aberto desde o ocorrido.

O menino Henry Borel morreu em março de 2021. A mãe Monique Medeiros e o padrasto, o ex-vereador Dr. Jairinho, que continua preso, foram acusados pela morte da criança. Os dois já foram ouvidos pela Justiça e negaram o crime. A Justiça decidiu que o casal vai ser levado a júri popular, ainda sem data marcada.

Foto: Divulgação/ Instagram

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

PATROCINADO
Ei estudante, vai perder o benefício da meia-passagem no transporte público?Não? Então corre para fazer o cadastro e/ou...

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE