Após 3 anos de sua morte, família do engenheiro Flávio continua pedindo Justiça

WhatsApp Image 2022-09-28 at 20.36.17
PATROCINADO
Conhecido como “O Gigante do Norte” o Bazar da Rayana em clima de Natal, acontecerá neste sábado (03)...

MANAUS-AM | Familiares do engenheiro Flávio Rodrigues, que foi violentamente assassinado após uma festa realizada em um condomínio de luxo no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, continuam pedindo justiça após 3 anos de sua morte.

Familiares e amigos reuniram-se na noite desta quarta-feira (28), em busca de respostas sobre o caso. A irmã da vítima diz que o sentimento é de injustiça, pois nada foi esclarecido por completo.

Nesta quinta-feira (29) será celebrado uma missa de 3 anos de falecimento, na igreja Católica da paróquia do Educandos, ás 19:00h.

Relembre o caso

O homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos ocorreu no dia 29 de setembro de 2019, após uma festa na casa de Alejandro Molina Valeiko, filho da primeira dama, Elizabeth Valeiko.

Na época, José Edvandro Júnior registrou boletim de ocorrência dizendo que durante a madrugada, um homem invadiu a festa, realizada no condomínio, agrediu duas pessoas, esfaqueou Magno e teria sequestrado Flávio.

O corpo da vítima foi encontrado somente no dia seguinte no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus. A descoberta do corpo em um terreno baldio no bairro Tarumã, relativamente próximo ao condomínio, pôs fim às buscas por um desaparecimento e abriu o inquérito de um assassinato.

A versão de invasão do condomínio foi descartada pela polícia por conta de depoimentos contraditórios. Uma perícia realizada na casa e imagens do circuito de câmeras do local ajudaram a derrubar a versão.. Dias depois, a prisão dos suspeitos foi decretada.

Das sete pessoas envolvidas, apenas cinco foram consideradas rés pela Justiça.

Foto: Eudogio Gonçalves

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

PATROCINADO
A capital amazonense é conhecida nacionalmente pela beleza e imensidão da floresta amazônica, por sua zona franca, pelo...

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE