Privatização do Terminal Pesqueiro acabará com desperdício de peixes em Manaus, prevê deputado Delegado Pablo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Política | O Terminal Pesqueiro de Manaus, localizado ao lado da feira da Panair, no bairro de Educandos, está cada dia mais perto de ser privatizado e, dessa forma, acabar com o desperdício de peixes na capital do Amazonas.

Publicidade

A iniciativa do governo Federal em privatizar terminais de pesca em várias cidades do País foi elogiada pelo deputado federal Delegado Pablo, que defende a modernização do setor pesqueiro no Amazonas.

Terminal pesqueiro de Manaus não terá mais desperdício de peixes

terminal pesqueiro

O parlamentar elogiou a decisão do presidente Jair Bolsonaro, que assinou o decreto n. 10.442/2020, preparando o setor para privatização. Na medida, foram beneficiados os terminais das cidades de Natal (RN), Aracajú (SE), Vitória (ES), Santos e Cananeia (SP).

Em maio, Bolsonaro já havia autorizado a privatização dos terminal pesqueiro de Manaus (AM) e de Belém (PA), que enfrentam sérios problemas com abandono e sucateamento.

Pablo lembra que o terminal de Manaus foi construído em 2006, com recursos do governo Federal e da prefeitura de Manaus. Na época, a obra custou R$ 11,5 milhões e tinha como objetivo organizar a venda de pescado na capital, além de garantir estoque para os meses defeso.

“O terminal nunca funcionou com 100% da sua capacidade. Apenas a balsa onde atracam os barcos foi finalizada. As câmaras frigoríficas que receberiam o pescado, jamais foram entregues”, lembra o deputado.

Hoje, após 14 anos de sua inauguração, o terminal pesqueiro está abandonado. O prédio onde deviam funcionar as câmaras frigoríficas, agora serve de abrigo para dependentes químicos e bandidos.

“Estamos diante de um investimento numa área que é vocação natural do nosso povo: a pesca. É um setor que sustenta milhares de famílias em Manaus e no interior do Amazonas”, avalia Pablo. “Enquanto isso, toneladas de peixes são jogadas no lixo todos os dias porque não existe um local para armazenagem”, acrescentou.

Nestes 14 anos, o terminal passou por várias administrações e brigas judiciais. A obra esteve nas mãos da prefeitura de Manaus, Federação dos Pescadores (Fepesca), governo do Estado e sob o controle do extinto Ministério da Pesca.

Com a autorização do governo Federal em privatizar o terminal, talvez o local seja finalmente usado para seu verdadeiro propósito, que é acabar com o desperdício de peixes, permitir um estoque regulador, oferecer peixes com preços mais baixos e, principalmente, garantir melhores condições de trabalho a milhares de pescadores.

SEJA UM APOIADOR DO IMEDIATO

Clique AQUI

Últimas informações ao vivo:

Receba a seleção das melhores notícias

Outros assuntos interessantes: