Cadastro do PIX começa hoje: saiba como funciona o sistema de pagamentos instantâneos

marca-pix-pagamento-instantaneo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Economia | A partir de novembro, a forma como você transfere dinheiro e faz pagamentos vai mudar. Isso porque entra em vigor o PIX, um sistema de pagamentos instantâneos, criado pelo Banco Central. A partir desta segunda-feira (05/10), você poderá fazer seu cadastro para usar esse sistema.  

Publicidade

PIX: Confira a seguir o que vai mudar na sua vida

Pix

Em tempo real e sem custo

Na prática, isso significa que você poderá enviar dinheiro para um amigo ou familiar e em menos de 10 segundos, o dinheiro cai na conta da outra pessoa – sem nenhum custo para você ou para a pessoa que receber o dinheiro.

Diferente das transferências por DOC e TED ou pagamentos por boletos, que demoram mais, muitas vezes são cobradas e só podem ser feitas em determinados horários. Por determinação do BC, o PIX terá de ser gratuito para pessoas físicas. Para empresas, os bancos e instituições financeiras poderão cobrar pelas transferências.

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

Clique AQUI e saiba as vantagens em ser MEMBRO!

24 horas, 7 dias por semana
Outra grande mudança é a disponibilidade do meio de pagamento. Se alguém faz uma transferência por DOC em uma sexta-feira à noite, o dinheiro só vai cair na conta da outra pessoa na segunda-feira. Boletos podem demorar dias para serem compensados. Com o PIX, as transferências podem ser feitas em qualquer dia e hora.

Facilidade
Para fazer uma TED, é preciso saber o código do banco do destinatário, agência, conta, número de CPF, nome completo. Além disso, é preciso informar se o depósito deve ser feito em uma conta corrente ou conta poupança. Com o PIX, será preciso informar apenas a chave PIX do destinatário – que pode ser seu CPF, número de celular ou e-mail.

A chave PIX
Para conseguir fazer e receber as transferências dessa forma, você precisa fazer o cadastro de uma chave, que pode ser o seu CPF (ou CNPJ, no caso das empresas), número de celular ou e-mail. Você deve fazer o cadastro em sua instituição financeira. Lá, você escolhe qual chave quer cadastrar para qual instituição. Por exemplo, se você tem conta um banco e em uma fintech, pode cadastrar o CPF como chave PIX no banco e o celular como chave PIX na fintech.

Assim, quando alguém fizer uma transferência usando seu CPF, o dinheiro cai na sua conta do banco. Se alguém fizer a transferência usando seu celular, o dinheiro vai cair na sua conta da fintech. Atenção: a mesma chave não pode estar cadastrada em mais de um lugar ao mesmo tempo.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias