Pelé 80 anos: o jogador com sete prêmios no ‘Bola de Ouro’

Foto: Reprodução/ Santos FC
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

ESPORTE | No próximo dia 23 de outubro, Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido como Rei Pelé, faz aniversário e completa 80 anos. Muitos já se preparam para homenagear o homem que fez seu nome e se doou pelo futebol brasileiro.

Publicidade

Quem aí lembra da ‘Bola de Ouro’ ? Ela foi criada pela “Revista France Football” em 1956 para eleger o melhor jogador do mundo. Na época em que Pelé jogava, a France Football tinha como regra premiar apenas europeus que atuavam na Europa, ou seja, Pelé nunca pôde concorrer ao troféu. A regra se estendeu até 1995, quando a premiação permitiu que qualquer atleta que atuasse na Europa disputasse o prêmio. Já em 2007, a revista abriu a premiação para o mundo, e jogadores de qualquer nacionalidade, atuando em qualquer país, poderiam concorrer.

No ano de 2014, o Atleta do Século XX foi convidado para a cerimônia do prêmio de melhor jogador do mundo, e teve uma grata surpresa. Durante a premiação, foi entregue a ele sete troféus da Bola de Ouro. A France Football revisou toda a lista usando as regras atuais e decidiu conceder a Pelé uma justa correção histórica. Na revisão, o brasileiro teria vencido em 1958, 1959, 1960, 1961, 1963, 1965 e 1970.

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

Clique AQUI e saiba as vantagens em ser MEMBRO!

Na época, nos mencionados anos, os seguintes atletas haviam vencido o prêmio: 1958 (Kopa), 1959 (Di Stéfano), 1960 (Luís Suárez), 1961 (Omar Sívori), 1963 (Lev Iashin), 1965 (Eusébio) e 1970 (Gerd Müller).

Com a revisão histórica, Pelé passou a ser o maior vencedor da tão cobiçada premiação. No ano de 2019, o argentino Lionel Messi conseguiu a sua sexta conquista. Já o português Cristiano Ronaldo, possui cinco troféus da “Ballon d’Or”, como é escrita originalmente.

Durante a homenagem, o Rei deu a seguinte declaração: “Eu prometi à minha família que não choraria, mas sou emotivo. Queria agradecer a Deus por ter me dado saúde para jogar por tantos anos. Eu não jogava sozinho, tudo que eu ganhei foi com meus amigos, as pessoas se lembram dos jogadores, mas não podemos esquecer as pessoas que preparam as chuteiras, fisioterapeutas, massagistas. Quero compartilhar com eles este troféu”.

Fonte: Santos FC

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias