Juíza vira ré por relação com família do goleiro Bruno durante processo sobre a morte de Eliza Samudio

Bruno Goleiro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Justiça I A Justiça de Minas Gerais acolheu a denúncia do Ministério Público contra uma juíza por improbidade administrativa por suposta “relação estreita” com a família do goleiro Bruno Fernandes durante as investigações sobre a morte da modelo Eliza Samudio.

Publicidade

Na denúncia, o MPMG indicou que a juíza Maria José Starling infringiu a ética profissional ao manter “estreita relação de amizade” com a dentista Ingrid Calheiros, então noiva do jogador.

A suposta amizade entre as duas se tornou pública após Ingrid e Bruno denunciarem, em 2011, que a magistrada teria pedido R$ 1,5 milhão para conseguir um habeas corpus para o ex-jogador do Flamengo.

Ainda segundo o MP, a companheira do goleiro foi a um chá na casa da magistrada. Além disto, a juíza teria indicado um advogado de sua confiança pessoal para o caso. Gravações telefônicas confirmaram a relação entre as duas, segundo o Ministério Público.

A denúncia do MP foi feita em 2018, mas só foi aceita na Justiça na última semana. Segundo o TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), Maria José Starling espondeu um processo administrativo no órgão pela suposta prática ilegal e foi aposentada compulsoriamente em agosto daquele ano, “conforme prevê a lei”.

https://imediatoonline.com/covid-19-amazonas-registra-1-423-novos-casos-nesta-terca-feira-9/

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias