Novo foco de mosca da carambola atinge frutas do norte de Roraima

Foto: Arquivo Secom
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

RORAIMA | O surgimento de um foco da mosca da carambola na região do Limão, no limite entre Boa Vista e o município de Alto Alegre, fez com que o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) unisse forças com a Aderr (Agência de Defesa Agropecuária) e a Seapa (Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento), para evitar que a praga afete a comercialização de frutas em Roraima.

Publicidade

A primeira medida adotada foi a mudança da barreira fitossanitária localizada na região dos Três Corações, no sentido Norte da BR-174, em Amajari, para as proximidades da região onde foi detectado o foco da praga. O diretor de Defesa Vegetal da Aderr, Marcelo Parisi, explicou que a medida é necessária para garantir que a mosca não chegue a outras regiões.

A presença da praga afeta diretamente na economia, pois os produtores de uma região que tenha foco da praga ficam impedidos de comercializar, para que a praga não seja levada de uma região para a outra.

“Por conta desse novo foco mais próximo da Capital, ocorre a necessidade da mudança da nossa barreira. Recebemos uma equipe do Mapa, que verificou de perto a situação e decidiu por essa mudança, para a gente conseguir isolar a área e, com eficácia, erradicar a praga”, detalhou Parisi.

O apoio dos órgãos públicos que trabalham em prol do setor produtivo é fundamental neste momento. O superintendente do Mapa em Roraima, Plácido Alves, afirmou que um trabalho conjunto é mais eficaz.

“Pedimos apoio da Seapa para que a gente continue a dar tranquilidade aos produtores na comercialização dos seus produtos, e que possamos garantir, ao mesmo tempo, a questão da sanidade dos produtos produzidos em Roraima. Queremos garantir que o nosso produtor continue a comercializar”, disse.

O titular da Seapa, Emerson Baú, adiantou que um trabalho de replanejamento e uma ação estruturada de combate e regressão dos focos da mosca da carambola já estão sendo feitos. “É uma ordem do governador Antonio Denarium, para que esse processo seja estancado efetivamente. Todo o corpo técnico da Seapa, toda a inteligência de Extensão vai ser colocada à disposição do Mapa e da Aderr, para que possamos efetivamente gerar resultados para que o produtor continue a vender os seus produtos”, declarou.

MOSCA DA CARAMBOLA – A mosca da carambola é uma das espécies de moscas-das-frutas que atacam várias espécies frutíferas tais como: carambola, manga, caju, laranja, acerola, tangerina e jambo vermelho. É originária do sul da Ásia e foi introduzida no continente americano, através do Suriname, em meados de 1975.

No ano de 1989, foi detectada na Guiana Francesa de onde se dispersou para o município de Oiapoque no Estado do Amapá, em 1996. As larvas penetram no fruto podendo destruí-lo completamente. Entre as alternativas de controle a mais recomendada é não transportar frutas hospedeiras de regiões infestadas para outras regiões.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias