Para complementar salário, professora vira prostituta em SP

Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus – AM | O dia-a-dia de muitos brasileiros, nem sempre é fácil. Às vezes, um emprego pode ser que não seja suficiente e aí é preciso encontrar alternativas para sobreviver. É o caso de uma professora de São Paulo.

Publicidade

Durante o dia ela é professora em uma escola da rede estadual de ensino de São Paulo. À noite, trabalha como garota de programa na rua Augusta, uma das mais badaladas da capital paulista. A dupla jornada da jovem de 35 anos é para complementar a renda família.

Em entrevista ao jornalista Everton Menezes, do Yahoo! Notícias, ela afirma: “Ganho aproximadamente R$ 2 mil por mês. Não consigo manter a minha família. Sou mãe solteira com um filho autista, de seis anos. Tenho que pagar escola, plano de saúde e as contas da casa. O salário de professor é uma miséria”,

Ela revela ainda que as duas realidades não se misturam. Na sala de aula, ela é linha dura com os alunos, de 15 a 18 anos. Não permite baderna e exige respeito no ambiente escolar. Veja a matéria completa aqui.

Leia mais

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias