Família de Mayc vai ao Ministério Público falar sobre transferência para presídio e conduta de advogado

Foto: Reinaldo Maquiné
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus – AM | Familiares do lutador Mayc Vinícius Teixeira Parede, suspeito no caso Flávio pediram ajuda ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) na manhã desta terça-feira (22). Pelo menos dois parentes entraram na sede do MPE, na Ponta Negra, na tentativa de serem recebidos pelo procurador de Justiça da 16° Procuradoria, Igor Starling. Na última segunda-feira (21), esta mesma procuradoria instaurou um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) e entrou de vez no caso engenheiro Flávio Rodrigues.

Publicidade

Irmão e pai de Mayc na chegada ao MPE deram um breve aviso para equipe do Imediato que fariam contato após serem atendidos no órgão. O MPE por outro lado, não se posicionou sobre a visita, e esclareceu que a investigação independente da 16° Procuradoria de Justiça do Amazonas, irá correr em sigilo.

Mas conforme apuração exclusiva do Imediato, o motivo da visita dos familiares de Mayc seria para denunciar a conduta do próprio advogado de defesa do lutador. Além disso, pedir providências, a cerca da transferência de Mayc para o Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPMII). Medida, esta que põe a vida de Mayc em perigo, de acordo com a família, por conta de ameaças sofridas.

No decorrer das investigações, Mayc teria confessado que foi o autor da morte de Flávio, o que o colocou como um dos personagens principais no desenrolar dessa história. Uma carta divulgada neste fim de semana, que é atribuída a Mayc, também é motivo de controvérsias. A família do lutador alega que a caligrafia, e nem a carta são de Mayc.

A família também já se mostra contrária ao advogado de Mayc, Josemar Berçot, e não sabem de onde vem verba para pagar os serviços do advogado . Em nota OAB do Amazonas, saiu em defesa de Berçot, afirmando que o mesmo não tem quaisquer registro de má conduta na Ordem.

Texto: Joandres Xavier

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias