Juiz decreta sigilo no ‘Caso Flávio’ três dias após autorizar acesso a aparelhos apreendidos

JuizCelsodePaula-1200x800
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

MANAUS-AM| Três dias após autorizar o acesso aos conteúdos de três celulares e um tablet apreendidos com a ex-primeira-dama de Manaus, Elizabeth Valeiko e o genro Igor Ferreira, que devem ser compartilhados com o Ministério Público (MP), o juiz Celso Souza de Paula, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Manaus, que passou a responder pelo processo 0654422-21.2019.8.04.0001 (Caso Flávio), que ainda se encontra na primeira fase, decretou o sigilo do processo, nesta segunda-feira (14).

Publicidade

“Em virtude da decisão de fls. 6224/6225, que pode acarretar em divulgação
de dados particulares de pessoas direta ou indiretamente envolvidas neste processo, decreto novamente o sigilo do feito, para que pessoas estranhas aos autos não mais tenham acesso ao conteúdo do processo.”, diz o magistrado.

Na decisão anterior, o magistrado acatou pedido do MP, para o envio dos aparelhos eletrônicos apreendidos ao Ministério da Justiça e Segurança Pública para a extração e compartilhamento dos dados inseridos nos aparelhos descritos na peça ministerial. Os aparelhos foram apreendidos após a morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, ocorrida em 29 de setembro de 2019.

“Entendo que tal pedido deve ser deferido, em que pesem os argumentos levantados por Igor Ferreira às fls. 6172/6179, uma vez que os aparelhos foram apreendidos após o crime e precisam ter seus conteúdos expostos nos presentes autos, pois pertencem a pessoas que, embora não sejam réus no processo, são parentes próximos dos acusados.”, disse o magistrado na manifestação do último dia 11.

O processo do “Caso Flávio” já havia tramitado em segredo de justiça; passou a ser público em 19 de fevereiro de 2020, após uma decisão da juíza Ana Paula de Medeiros Braga, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, em atendimento à requisição do MP. No dia 18 de setembro de 2020, a magistrada se declarou suspeita para continuar à frente do mesmo processo. A juíza deixou o caso depois de quase 1 ano.

Com informações do site O Poder

UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

Clique AQUI e saiba as vantagens em ser MEMBRO!

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias