Na cama de Alejandro e sem roupa, Magno manda mensagem e foto para celular da mãe. “Assustado”.

share_big_preso_4957FB5A-B97C-42AF-A5DC-EEFCC79DFB1B
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus – AM – Na noite em que aconteceu a morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, no dia 29 de setembro, Elielton Magno de Menezes Gomes Júnior, 23 anos, um dos investigados no caso da morte do engenheiro, mandou mensagens para o celular da mãe dizendo estar “assustado”, após ter acordado na casa de Alejandro Valeiko, principal nome ligado à morte de Flávio, e que também está preso. 

Publicidade

Junto a mensagens de texto, ele também mandou uma foto em que aparece sem roupa. Na foto, não é possível ver o corpo inteiro de Magno. Em outra foto enviada por um aplicativo de mensagens, aparece o cozinheiro italiano Vittorio Del Gato, também preso por conta da investigação sobre o crime de assassinato, que aparece vestido, preparando uma massa no balcão da cozinha da residência do enteado do prefeito.  

Segundo relatos de Magno, em depoimento dado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (Dehs), no dia 7 de outubro, após acordar, por volta das 20h, sem saber onde estava, mandou mensagem para o celular da mãe afirmando que temia ter sido abusado sexualmente. 

Ele afirmou ainda que estava “dois dias virado” (quando fez consumo excessivo de álcool e uso entorpecentes). Disse ainda, que após acordar encontrou Vittorio na cozinha e pediu um prato de comida. O cozinheiro teria o mandado comer e ir embora. Ele teria descoberto ainda que a cama na qual dormiu era de Alejandro, que não estava no local quando ele acordou. 

Quando saia do condomínio Passaredo, ao chegar na portaria, ele foi abordado por um carro branco dirigido por Flávio, acompanhado por Alejandro e José Edvandro Junior. Os quatro homens seguiram até um posto de conveniência para fazer compras. Ao retornarem à residência, todos ficaram na sala.

Magno informou que havia um clima de ciúmes entre Flávio e Alejandro. Pouco tempo depois um homem encapuzado e armado teria adentrado a casa. Afirmou ainda que teve a arma apontada para sua cabeça, que nesse momento saiu correndo. Fora da residência encontrou outro homem que o teria agarrado pelas costas. 

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias