Coronavírus: operação policial constata irregularidades em agências bancárias em Manaus

Captura de Tela 2020-04-03 às 12.04.51
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus – AM | Durante esta semana, a equipe de investigação da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Consumidor (Decon), deflagrou a operação “Fila Sem Aglomeração”, com o objetivo apurar denúncias sobre formação de grandes filas em bancos e o não uso de máscaras e luvas na hora do atendimento aos clientes.

Publicidade

Segundo a autoridade policial, a ação foi realizada na zona centro-sul da capital e fiscalizou seis estabelecimentos. Os trabalhos dão continuidade a operação “Especulação do Vírus”, deflagrada na última semana, mas, dessa vez, os policiais verificaram a irresponsabilidade que vem ocorrendo, principalmente, em agências bancárias, onde do lado de fora se formam longas filas sem o controle de distância entre as pessoas. Os trabalhos, realizados durante a quinta-feira (02/04), contaram com as equipes da Comissão de Defesa do Consumidor (CDC-Aleam).

“Verificamos que os bancos não estão respeitando as recomendações da Federação Brasileira dos Bancários (Febraban). Os horários especiais não estão sendo suficientes para atender às pessoas idosas e o grupo de risco. Além disso, todas as agências não estão atendendo a distância mínima e não há controle dos funcionários que não fazem o uso de equipamentos de proteção individual”, informou delegado Eduardo Paixão, titular da Decon.

De acordo com o delegado, o trabalhador deve reclamar em seu respectivo sindicato, além do Ministério Público do Trabalho (MPT) e ouvidoria dos bancos, onde deverão notificar que não existe equipamentos para trabalhar de forma segura. Os consumidores devem formalizar suas insatisfações nos Serviços de Atendimento ao Cliente (SAC) e no Banco Central do Brasil (Bacen), informando sobre a irresponsabilidade nos serviços.

Conforme Paixão, as agências foram notificadas a prestar esclarecimentos e sanar os problemas identificados. “Exigimos que os funcionários organizassem as filas e sugerimos que ofereçam o serviço de atendimento com hora marcada para solução definitiva do transtorno”, informou o delegado.

Segundo a autoridade, os consumidores idosos devem usar canais alternativos para evitar aglomerações, e os parentes mais jovens devem se encaminhar aos bancos em caso de urgência. Denúncias podem ser feitas por meio dos telefones da Decon (92) 99962-2731 e 3214-2264, ou formalizadas virtualmente pelo site da Delegacia Interativa (DI), além do Procon Manaus e Procon Amazonas.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias