Motorista de aplicativo é feita refém no próprio carro e presencia roubos pela cidade

Imagem: Thássio Pierre
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus – AM | Gilvana Leite de 43 anos foi feita refém dentro do próprio carro, no início da manhã desta quarta-feira (2), quando saía para trabalhar. A vítima que atua como motorista de aplicativo, ligou a plataforma as 6h para pegar a primeira corrida, que apontava para o bairro Fazendinha, vizinho a sua residência.

Publicidade

Ao chegar no local, Gilvana se deparou com um homem uniformizado, que aparentemente não apresentava perigo, mas ao iniciar a corrida, o suspeito sacou uma arma e anunciou o sequestro, momento em que também chegam mais três suspeitos, e entram no carro para iniciar o arrasto.

“Queriam me colocar no porta-malas, mas como tinha gente na rua, empurraram minha cabeça para baixo e saíram fazendo arrastão pela cidade. Eles tinha um assalto certo, para fazer, mas parece não ter funcionado e foram fazer arrastão nas paradas de ônibus”, detalhou a vítima.

Uma viatura da Polícia Militar identificou a atitude suspeita no veículo e passou a perseguir. No momento em que faziam um assalto a uma parada de ônibus, no núcleo 6, do bairro Cidade Nova, os suspeitos atacaram uma vítima que relatou o fato. “Eu estava na parada com minha filha e minha mulher, quando o carro parou e um deles desceram com uma faca. Ele puxou o celular a força da minha mulher, e veio pra cima de mim com uma faca, mas eu disse que não tinha nada. A polícia ja estava atrás deles”, relatou o homem que não quis se identificar.

O veículo de cor cinza, no momento da perseguição, acabou colidindo, em um poste, e os assaltantes foram presos. “Eu estava em pânico, entreguei minha vida para Deus. Eles disseram que so não iam me matar porque tinha uma bíblia no meu carro e eu era evangélica”, completou Gilvana.

Os suspeitos foram levados para o 6° Distrito Integrado de Polícia, onde o caso foi registrado e seriam apresentados para reconhecimento das testemunhas. Um deles ainda foi baleado, mas não foram divulgados os nomes dos suspeitos.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias