Pouco mais da metade da população apta a votar comparece nas urnas no Plesbicito na Venezuela

Imagem do WhatsApp de 2023-12-04 à(s) 19.48.00_76c56228
PATROCINADO
Ao longo de toda a história do Site Imediato Online, a comunidade sempre esteve presente, sendo a principal...

Segundo o resultado, em média 96% das respostas foram a favor da anexação de Essequibo à Venezuela

VENEZUELA | O referendo na Venezuela perguntando para a população a opinião sobre anexar ou não a região de Essequibo à Venezuela, ocorreu ontem das 06:00h às 20:00h no país vizinho .

Das 20,7 milhões de pessoas aptas a votar apenas 10,5 milhões foram até as urnas, segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, ou seja, pouco mais da metade do público eleitoreiro.

A movimentação na Venezuela ontem, durante o plesbicito, foi tranquila e das cinco perguntas em questão, em média, 97% das respostas foram a favor da anexação de Essequibo, de acordo com o Conselho.

No início do mês passado o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou que iria realizar o referendo afim de agilizar o processo que está em julgamento no CIJ, Corte Internacional de Justiça, que é o mais alto órgão da Organização das Nações Unidas (ONU),e o Presidente da Guiana Irfaan Ali acionou em caráter de urgência a CIJ, para impedir que a votação acontecesse. Em resposta, a Corte Internacional decidiu que a Venezuela não faça nada que prejudique o processo que já está em andamento na corte, e não citou diretamente a permissão ou não do referendo que ocorreu normalmente no domingo (04).

Com a movimentação de militares venezuelanos na fronteira do Brasil com a Venezuela, em Pacaraima, o Ministério da Defesa reforçou a fronteira, com 130 militares na cidade, afim de evitar possíveis problemas.

O presidente Lula afirmou em entrevista a Jornalistas em Dubai naCop28, que é preocupante a situação e espera que os países mantenham a calma, porque uma guerra agora não seria bom.

Já o presidente da Guiana, Irfaan Ali, afirma que está tranquilo e mantém a fronteira do país resguardada com militares.

A disputa por Essequibo tem quase 200 anos, e ficou ainda mais acirrada após o descoberta de petróleo na Costa de Essequibo, com aproximadamente de 11 bilhões de barris de petróleo. O caso está em análise na Corte Internacional de Justiça, que deve julgar o caso e entregar a soberania e o poder para administrar Essequibo, que atualmente é governado pela Guiana.

Fotos: Reprodução

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

PATROCINADO
Dia após dia, os internautas de todo o país estão em busca de notícias policiais, e o programa...

Últimas atualizações sobre benefícios

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE