Oxigênio produzido pela White Martins está abaixo da capacidade da fábrica em Manaus

White-Martins-2
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

MANAUS-AM | De acordo com fontes do mercado, a White Martins, líder no mercado de oxigênio hospitalar no País, e principal fornecedora do gás no Amazonas, tem capacidade de produção de, pelo menos, 125 mil metros cúbicos de gás por dia. Já conforme a empresa, a capacidade de produção é de apenas 25 mil/dia – incluindo a produção para as indústrias.

Publicidade

A demanda por oxigênio na rede pública de saúde, atualmente, é de 76 mil metros cúbicos por dia. Para comparar, na primeira onda de casos, entre março e maio, o consumo máximo foi de 30 mil metros cúbicos.

A empresa Carboxi, outro fornecedor do Estado, produz pelo menos 10 mil metros cúbicos diários. A Carboxi pode ser considerada pequena em relação à White Martins, trazendo à tona o questionamento “Como explicar uma diferença de produção tão pequena?”.

A White Martins é líder no mercado de oxigênio hospitalar no País. O grupo ao qual pertence -pertencente a um conglomerado norte-americano- é um dos maiores do mundo.

Sociedade é vítima

Enquanto a fornecedora não explica a produção abaixo da capacidade, pacientes infectados pela Covid-19 estão sofrendo nos hospitais com a falta do oxigênio. Para contornar a crise, o governo do Amazonas tem atuado em parceria com as Forças Armadas para trazer o insumo para o Estado.


*Com informações da Revista Cenarium

SEJA UM MEMBRO APOIADOR DO IMEDIATO

Clique AQUI e saiba as vantagens em ser MEMBRO!

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias