Secretária da Susam nega superfaturamento na compra de respiradores. ‘Desequilíbrio no mercado’

WhatsApp Image 2020-06-10 at 11.23.05 (1)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus-AM | Na manhã desta quarta-feira (10), o Ministério Público do Amazonas (MP-AM), realizou a Operação Apneia que teve como objetivo cumprir 14 mandados de busca e apreensão, como parte das investigações sobre suposta compra superfaturada de respiradores pela Secretaria de Estado da Saúde (Susam).

Publicidade

De acordo com Fábio Monteiro, subprocurador geral para assuntos jurídicos do MP-AM, o principal objetivo da operação é fiscalizar a compra de 28 ventiladores pulmonares, que custaram quase 3 milhões de reais, sem licitação pública e que teriam sido adquiridos por preços superfaturados e a empresa beneficiada.

Os mandados foram cumpridos nas zonas Leste e Centro-Sul da cidade. As equipes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), estiveram principalmente na empresa na qual os equipamentos foram adquiridos e na sede da Susam na avenida André Araújo, no bairro Aleixo.

Os alvos da operação são empresários, servidores e ainda ex-secretários de Estado. De acordo com Fábio Monteiro, os mandados cumpridos na sede da Susam, se deu devido a pasta não ter se negado a enviar todos os documentos referente a compra dos ventiladores pulmonares para tratar pacientes com Covid-19, quando solicitado pelo MP-AM.

Todas as provas colhidas servirão para subsidiar o processo investigativo que está ocorrendo.

A secretaria da Susam, Simone Papaiz, negou em coletiva de imprensa que tenha havido superfaturamento na compra dos produtos.

“O que há, não só no Amazonas é o desequilíbrio no mercado para esses equipamentos. O valor que era praticado no mercado nacional e internacional antes da pandemia é totalmente diferente dos atuais dentro da pandemia”, argumentou.

Ainda de acordo com ela, todas as legalidades foram tomadas para realizar a compra com urgência. “O processo administrativo para a aquisição (dos respiradores) transcorreu dentro do que é previsto em lei e necessário para o momento. Sendo assim não há nenhuma possibilidade de alguém ser preso.”, declarou Papaiz.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias