Ibama multa, em R$ 61 mil, estudante de veterinária picado por Naja

2
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

País | O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou em R$ 61 mil o estudante de medicina veterinária Pedro Krambeck, 22 anos, acusado de criar animais exóticos, incluindo uma Naja, sem qualquer autorização.

Publicidade

Ibama muta estudante em R$ 61 mil

Ibama
Cobra que picou estudante. Foto: Reprodução

Os pais do estudante também foram penalizados em R$ 8,5 mil cada. O casal esteve, nesta quinta-feira (16/7), na 14ª Delegacia de Polícia (Gama), onde prestou depoimento à Polícia Civil do DF (PCDF). Eles saíram sem falar com a imprensa.

Kambreck é acusado de dificultar a ação dos fiscais, maus-tratos e manter animais nativos e exóticos sem autorização, algo ilegal perante o Ibama. Os pais, por sua vez, foram penalizados por terem dificultado a ação de resgate.

Segundo o Ibama, também foram multados: o proprietário da chácara onde encontraram 17 serpentes (no valor de R$ 68 mil) e o amigo de Pedro que teria o ajudado a esconder as serpentes (em R$ 81,3 mil).

O padrasto de Pedro Henrique Kambreck é um coronel da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), que foi alvo da segunda fase da Operação Snake, deflagrada nas primeiras horas desta quinta-feira.

O coronel Eduardo Condi é apontado pelos investigadores como um dos responsáveis por ajudar Pedro a ocultar provas em investigação sobre tráfico de animais, após o estudante ser picado pela Naja que criava em casa, no Guará. A suspeita é de que Pedro faça parte de uma organização de tráfico de animais exóticos no Distrito Federal.

O jovem é apontado como proprietário do animal de origem asiática e de mais 16 serpentes contrabandeadas. O oficial da PMDF foi visto saindo do prédio em que a família mora, no Guará, carregando as caixas com os animais.

A movimentação foi flagrada logo após Pedro ter sido atacado pela cobra. Câmeras de segurança teriam filmado a ação. Questionada sobre as imagens capturadas pelo condomínio no qual a família mora, a 14ª DP afirmou que só vai se manifestar após a conclusão das diligências.

Fonte: Metrópoles

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias