BR-319: Ministro da Infraestrutura explica ‘diferencial’ da nova manutenção

IMG-20201003-WA0068
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

HUMAITÁ – AM – Na tarde deste sábado (3/10), quando assinou, no município de Humaitá, no Sul do Amazonas, ordem de serviço para manutenção da BR-319 (Manaus-Porto Velho), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas explicou o “diferencial” da renovação da conservação em relação às ações de recuperação da rodovia nos anos anteriores.

Publicidade

 “É uma manutenção muito mais pesada do que qualquer outra coisa que nós já fizemos. A gente está falando de melhorar muito, de fazer mistura de solo, areia e brita, para dar estabilidade maior. Um serviço que vai suportar melhor os invernos, que vai dar mais segurança para os usuários.”, explicou o ministro.

As medidas devem garantir boas condições de trafegabilidade na BR-319 durante todo o ano e são o ponta-pé inicial com o objetivo de repavimentar a estrada.

De acordo com o ministro da Infraestrutura, a recuperação abrangerá 254,20 quilômetros de rodovia. As obras incluem o chamado Lote Charlie (km 198 até 250), e parte do chamado “Trecho do Meio”, que vai do km 250 ao km 656. A fase no momento é de mobilização para os trabalhos in loco. Há a expectativa de ser iniciada a pavimentação do Lote C, um total de 52 quilômetros, em 2021. Ainda de acordo com ele, ano que vem também já será possível ver a substituição de pontes madeiras por pontes de concreto ao longo da rodovia.

Tarcísio Freitas também informou que há cerca de um mês foi enviado ao IBAMA para análise um novo Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental sobre a viabilidade de repavimentação do “Trecho do Meio”. Segundo ele, o estudo está contido de melhorias em relação a estudos anteriores que foram apresentados e a expectativa é grande para a liberação do asfaltamento.

“O EIA/RIMA está muito mais completo. A gente trouxe as preocupações dos órgãos ambientais para dentro do projeto no que diz respeito a elevação de plataforma, recuperação de áreas degradadas, plantio compensatório,  travessias de fauna e passagens de fauna, e como a gente promover a governança, e isso vamos fazer em conjunto com os governo do estado. Vale lembrar que já temos unidades de conservação no entorno, isso é um fato importante. Acho que temos um estudo bem feito que casa um projeto de engenharia bem feito. A manifestação do IBAMA recente, quando a gente discutiu a questão já dos cinquenta e dois quilômetros, mostra que estamos no caminho certo”, comentou Freitas.

Três estudos iniciais voltados para a repavimentação da BR-319 foram reprovados pelo IBAMA.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias