“Veio como um tsunami”, relatou morador do Aleixo que teve perda total de sua residência invadida por lama

03D93776-DEDF-4657-9931-61BCCC736F6A
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus-AM| Dentre as tragédias registradas pela Defesa Civil Municipal e o Corpo de Bombeiros do Amazonas, está o sofrimento dos moradores da rua Branco e Silva, além da rua 01 de Maio, no bairro Aleixo, zona Centro-Sul de Manaus. Várias famílias chegaram a perder inúmeros bens móveis e imóveis.

Publicidade

Os alagamentos na região, que é baixa, já eram frequentes, mas nunca haviam alcançado a dimensão registrada na tempestade de ontem. A situação teria se agravado por conta do barro acumulado para a construção de um hospital particular que está sendo construído nas proximidades. Com a água intensa caindo sobre o local, a terra cedeu e formou uma densa camada de lama na parte traseira das casas, o que enfraqueceu a base e a estrutura dos muros em geral, levando-os a se romperem e inundarem todas as casas.

A casa de um homem, apenas identificado como Jairo, teve perda total e até momentos de pânico por conta da água entrando nos cômodos. “Veio como um tsunami. Arrastando tudo. A geladeira que tava na cozinha parou na sala. Isso pra você ter uma ideia da violência e da velocidade da lama”, contou.

Dona Arlene, que mora na localidade há 42 anos, contou que jamais havia presenciado uma situação tão grave quanto a vivenciada na noite anterior. “Nunca tinha acontecido isso. Chove bastante, mas não fica com água no teto. Se fosse só a água da chuva não tinha enchido de lama. De certeza foi esse barro acumulado pra construção desse hospital”, finalizou.

Moradora da rua Branco e Silva, ainda no Aleixo, Dona Inês, explicou que a situação já se repete pela quarta vez. “Depois que começou essa obra já ocorreu quatro vezes. Porque, olha, nunca tinha acontecido isso. Aqui era só mato, era área verde. Depois esse terreno foi todo aterrado. O nosso medo é que num desses desabamentos o prédio também desabe”, finalizou.

Em nota, a Defesa Civil de Manaus informou que os índices pluviométricos alcançaram a marca 74,2 mm em toda a capital. A zona Leste, a região mais atingida, alcançou 131 mm, sendo os bairros Jorge Teixeira e Tancredo Neves os mais afetados.

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias