Mulher esperava trigêmeas, mas no parto ela teve uma grande surpresa, em Manaus

4
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus-AM | Mãe esperava trigêmeas. Sophia, Laís, Lívia e, de repente, Giovana. Quatro meninas que causaram uma reviravolta na vida de uma mãe até o último segundo antes do fim do parto. Michelle Freitas, uma cozinheira de 38 anos que já tem três filhos passou os sete meses da gestação acreditando que teria mais três bebês. Até que, na hora do parto, descobriu a quarta filha.

Publicidade

“Eu estava anestesiada, quando a médica falou que tinha mais uma, eu só disse ‘ta bom’, e fui dormindo. No quarto, quando minha filha me falou, eu não acreditava. Eu perguntava ‘quatro, Ana Flávia?’ E ela, ‘quatro, mãe!’”

Residente na comunidade Viver Melhor, em Manaus, Michelle, que já tem filhos de 20, 18 e 11 anos, fez o acompanhamento do pré-natal na Policlínica Codajás e na Unidade Básica de Saúde (UBS) Santo Antônio. Com o teste positivo em mãos, levou o segundo susto ao realizar o ultrassom.

“O médico viu uma e disse que tinha outra. Eram gêmeas, eu achei bom. Depois ele perguntou se eu estava com algum acompanhante, e pediu para minha irmã entrar. Foi quando ele disse que eram três e eu fiquei desesperada. Eu achei que ia morrer, comecei a chorar, minha irmã falou ‘calma, vai dar certo’. Depois eu já queria ver a carinha delas.”

Mãe esperava trigêmeas

trigêmeas

O caso da mãe que esperava trigêmeas e descobriu, na hora do parto, que na verdade teria quatro meninas viralizou em todo o país. Além de incomum pela “surpresa” do caso, o nascimento de quadrigêmeos tem outro fator: não acontecia no Amazonas há mais de duas décadas.

De acordo com o governo, o último registro de um caso de trigêmeas foi em 1999 – tanto na rede pública como privada, segundo a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

A chance de nascimento de quádruplos acontece uma vez a cada 600 mil partos em todo o mundo, explica o médico ginecologista e obstetra Dr. Afrânio Lins.

“Na questão do gemelar, a gente tem uma proporção na literatura médica: 1 gravidez para cada 100 corresponde a um gêmeo. Uma gravidez pra 8 mil, vai ser uma gravidez de trigêmeos, no caso de quádruplos, a chance é de 1 pra 600 mil, e quíntuplos é uma gestação em 15 milhões”, explicou.

Fonte: G1 Amazonas

ÚLTIMAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

O COVID-19 NO AMAZONAS HOJE

Receba a seleção das melhores notícias