Dor e comoção marcam velório de criança morta por tiro de espingarda em Manaus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Manaus-AM | Dor e comoção marcam o velório da pequena Yasmim Vitória Garcia, de 3 anos de idade, que morreu na noite desta segunda-feira (20), após ser atingida por disparo de espingarda usada pelo padrasto, em um sítio, no Ramal do Vegetal, bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus.

Publicidade

Velório

O corpo da menina está sendo velado na igreja Assembleia de Deus, localizada na rua Juriti, Comunidade Campo Sales, bairro Tarumã, na zona Oeste da cidade.

Muito abalado, o pai da criança identificado apenas como João, se desesperou quando chegou ao velório e ficou diante do caixão com o corpo da filha. Ele recebeu o apoio de amigos e familiares que estavam no local.

Vizinhos relataram que mãe da menina e o padrasto tinham um relacionamento conturbado e que o suspeito não gostavam da menina, por ciúmes.

Para o presidente do bairro, Francisco Eli Fernandes de Souza, vizinho do pai da criança, a mãe deve ser investigada também. E que o padrasto da criança, Roberto Siqueira, de 19 anos, deve permanecer na cadeia, pois o tiro não foi acidental, como foi alegado.

A previsão para a saída do cortejo será as 9h30 desta quarta-feira (22), e seguirá para o Cemitério Nossa Senhora Aparecida na Estrada do Turismo, bairro Tarumã, para o sepultamento.

A adolescente de 16 anos que cuidava de Yasmim, relatou que Roberto, minutos antes do fato, havia apontado a arma em direção da criança e da mãe dela, Emily Feitosa da Rocha.

A adolescente contou que foi convidada pela mãe de Yasmim para ir com eles para a chácara na última sexta-feira (17), por volta das 17h, para tomar conta da criança. Durante a estadia no sítio com a família, a adolescente disse que presenciou várias vezes o padrasto ameaçando a criança com um terçado fazendo alienação parental. “Ele não gostava da criança, por ela chorar com saudades do pai durante a noite.”, afirmou.

Minutos antes do crime a criança perguntou para a cuidadora o que Roberto era pra ela, a adolescente então respondeu que o mesmo era seu padrasto, e a criança teria dido: ” ele não gosta de mim não”.

Roberto estava com duas espingardas que seriam da família da mãe da criança, segundo os relatos da adolescente uma arma não tinha munições e a outra tinha apenas um cartucho.

A cuidadora foi até a cozinha lavar as mãos na pia, a criança foi até ela chamar para brincar, a adolescente pediu pra criança ir até sua mãe no quarto que logo ia atrás, foi nesse momento que o disparo foi ouvido por ela.

Foi a adolescente quem buscou socorro para a criança, com vizinhos próximos, a mãe e o padrasto não tiveram reação e ficaram muito nervosos.

A criança foi encaminhada para o Hospital da Criança, situado na Avenida Brasil, e quem acompanhou tudo foi a adolescente que conversou com a reportagem.

Veja também:

Familiares de adolescente desaparecido há 30 dias fazem protesto na Delegacia de Homicídios

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Acompanhe a Covid-19 no Amazonas

Receba a seleção das melhores notícias

BABADO FORTE